Entrevista de Ivo Lima para uma Estudante de Jornalismo.

Entrevista concedida Pelo Prof. Ivo Lima, autor do livro “O Recheio Que Faltava em Sua Vida”, para Suelen Paula, estudante de jornalismo de Curitiba – PR., em 22 de abril de 2015.

– Professor, como conheceu o Clube Brasileiro dos Escritores Independentes?

R: Através de uma ex-aluna, que estudava a terceira série do Ensino Médio, na E. E. “Prof. Guilherme de Almeida”, em São Paulo, Capital, no ano de 2006.

Desde quando começou a escrever? Desde quando a vontade de publicar um livro?

R: Desde estudante do Ensino Médio, em Assis – SP., quando eu já me dedicava a escrever, principalmente, temas no formato de escrita livre. Meu estilo era o de versos rimados. Abordava situações cotidianas na vida das pessoas, sempre apontando o Campo e a Cidade como cenários onde os fatos ocorriam.

– Como foi o processo de escrita de seu primeiro livro?

R: Depois de quatro anos escrevendo artigos sobre variados assuntos: Ética, Natureza, Cidadania, Educação, Relações humanas, Mercado de trabalho. etc, para o Jornal Correio Popular, de Campinas – SP., reuni uma série deles e com a colaboração do cientista social, José Ramirez Funes, na oportunidade, Diretor do Instituto de Pesquisa, Data Corp, deste órgão de imprensa. Apresentei para a Physis Editora Ltda e fizemos um contrato para o lançamento do meu primeiro livro: O RECHEIO QUE FALTAVA EM SUA VIDA: PARA AGIR COM SABEDORIA E SER FELIZ, lançado em 2008.

– Por que a escolha de publicar de forma independente?

R: Porque encarei isso como uma porta que estava aberta para eu mostrar o meu trabalho e, assim, futuramente, alçar novos voos na trajetória de escritor. Atesto que foi uma decisão acertada por tudo que ocorreu depois desse lançamento.

– Chegou a procurar outras formas para publicar antes?

R: Não. Já havia mostrado para amigos, para colegas de profissão, mas não foi realizado nenhum encaminhamento para lançá-lo.

– Quais as formas de divulgação são usadas para anunciar seu trabalho? Quanto disso se deve à internet?

R: Divulguei através de contatos para jornais, revistas; eventos promovidos por escolas particulares, estaduais e municipais; sindicatos, centros culturais etc., bem como através da página do meu Facebook (Ivo Lima), seja para anunciar as atividades realizadas, para comercializá-los e para divulgar esta atividade como escritor.

– Quais as maiores dificuldades em ser jovem escritor hoje em nosso país?

R: Quando lançar de forma independente, dispor de mínimas condições financeiras, uma vez que isso requer um custo; depois, o desafio é levar adiante uma processo de trabalho permanente, tendo como foco principal dois aspectos: divulgação e comercialização. Mas, além disso, se firmar no cenários que transitam os escritos, para tornar o seu trabalho cada vez mais reconhecido e adquirido.

– Quais as táticas devem ser utilizadas para atrair mais o público?

R: Aproveitar os eventos que abram espaços para a apresentação do trabalho como escritor. No caso das escolas que me convidam, ou que eu contato, o formato: “RODA DE CONVERSA COM O ESCRITOR” tem dado bons frutos, pois é uma maneira de fazer uma apresentação do livro, levando em conta a interação com os alunos, fugindo de um esquema rígido e formal demais perante os estudantes.

– Como está sendo a experiência de publicar o livro pelo CBE?

R: Foi uma experiência que rendeu bons frutos, pois me permitiu, por exemplo, visitar o México, percorrer cinco Estados e poder levar este trabalho, sobretudo, para professores, estudantes e movimentos sociais daquele país. O CBE me ofereceu orientações valiosas, que permitiu realizar estas atividades para promover o livro com cuidado, com planejamento e boas estratégias. Sou muito grato por essa dedicação, tendo em vista o êxito do livro lançado.

– Quantas cópias do seu livro já foram vendidas? E em quanto tempo de publicação?

R: Foram vendidas cerca de 500 cópias num período de 4 anos. Esse número citado é resultado, principalmente, de vendagens nos eventos que participei.

– Qual é seu maior tipo de público? Para qual público se atende mais o seu tipo de escrita?

R: Sem dúvida nenhuma, o público estudantil, e, particularmente, na faixa etária que frequenta o Ensino Médio. Embora isso não quer dizer que não procuro abordar outras faixas etárias e searas nesse processo de divulgação e comercialização dos livros que escrevo. Como este trabalho está sendo muito importante para minha trajetória como educador, um novo livro anda a caminho: MUDANÇA DE OLHAR – MUDANÇA DE PRÁTICA. Mas, é oportuno ressaltar que o meu trabalho de colaborador com o Correio Popular, de Campinas, desde 2003, junto ao projeto CORREIO ESCOLA – MULTIMÍDIA, o qual coloca a discussão do Jornal e das novas tecnologias em sala de aula, inscrito no Ministério da Educação, continua. Aliás, os dois livros são resultados de coletâneas de artigos publicados lá.

Ivo Lima

Professor de Filosofia e Escritor
Autor dos livros: O Recheio que Faltava em Sua Vida” (Clique Aqui para Comprar)
e “A Direção da Vida”
Diretor de Política Pedagógicas da Associação de Professores de Filosofia e Filósofos do Estado São Paulo (APROFFESP)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *